sexta-feira, 15 de julho de 2011

E hoje é sexta-feira! - Vocês conhecem essa história?

Olá para todos!
Hoje eu vim "reapresentar" minha filhota bigoduda: a Lola.
Como tem muitos rostinhos novos por aqui e eu tinha feito um post explicando como ela veio parar aqui em casa, mas foi bem no início do blog, resolvi reeditá-lo para que todos que me seguem possam saber como essa fofa veio alegrar nossas vidas.
Essa aí ao lado é a Lola. Nossa filha gatuna. Muito fofa. Muito carinhosa. Bagunceira demais da conta! E principalmente: amadíssima.

Apareceu aqui em casa do nada: entrou na cozinha, miou, me olhou com esses olhos azuis cristalinos lindos e meigos, estava faminta, tadinha.
Comeu o que tinha: restinho de atum em lata ralado e arroz (o que eu daria para um gatinho? :/, fiquei perdidinha da silva... rs). Depois de comer, não foi embora, ficou. Teimou muito em ficar (novidade um gatinho "teimar" rs). Melhor: FINCOU - fincou as patinhas e não foi embora. Se escondeu em baixo do criado mudo ao lado da nossa cama e de madrugada, quando pensávamos que ela já tinha ido para outros sítios... eis que ouvimos um miadinho bem charmosinho e gostosinho (claro que quase morremos de susto); e sem a menor cerimonia, subiu em mim, já ronronando muiiito, se ajeitou em meu peito, me encarou com todo o dengo e charme que só um gatinho tem e depois adormeceu. Você iria colocar para fora? No meio da rua? Nem morta que faríamos isso. Resposta de um para o outro (marido para mim e eu para marido): amanhã resolvemos isso. E assim foi nossa primeira noite a três: eu, marido e gata. Ela: super tranquila, dormiu, sem a menor cerimônia. Já eu e meu marido nos olhávamos num misto de susto, estranheza e sei lá mais o quê (ô dois bobos, viu!) e ficamos observando aquele serzinho, bigodudo e ronronador. No dia seguinte já saí para comprar ração e já se espalhava na rua que eu tinha uma gata para chamar de minha (até parece que não foi ela que escolheu e decidiu tudo... :/).
E a Gata ficou. Gata, pois não tinha nome ainda. Após uma semana de muito pensar, matutar... veio uma idéia de nome: uma homenagem ao filme: "Corra Lola, corra".
E assim ficou o nome que achamos ser a cara dela: Lola! (Lola, Lolinha, Lolota, Nariz de pipoca... rs).
Bom, já que fomos mesmo adotados por ela, não tínhamos escolha: veterinário, castração, ração para gato castrado, etc etc etc. Quem ama. cuida!
Lola operada, dormindo com "papai"
Lola dormindo exausta, após várias tentativas de destruir
a "roupinha/cinta" pós operatória

Hoje ela é nossa grande companheira, fica no meu colo o tempo todo, principalmente quando estou no computador. Quando entro no banheiro para tomar banho, fica miando escandalosamente pela casa, até eu falar do banheiro "mamãe está aqui, Lola!", aí ela para e vai dormir me aguardando sair. Dengosa com meu marido, ama brincar de bolinha com ele: ela leva a bolinha só para ele... E sobe em suas costas para "escalar" o guarda-roupas.
Ama um cobertorzinho, tomar sol,
e comer patê e adora e venera sua caixinha de areia cor-de-rosa.
Não sabe comer comida (a única vez que o fez foi quando chegou, no dia que chegou, depois nunca mais) e por isso mesmo, achamos que ela veio de um lugar onde até era bem tratada, pois não é agressiva, nem muito arisca, sabe comer só ração, nunca teve pulga ou machucadinhos, nem nada que algum bichinho que tenha vivido nas ruas tenha.
Será que alguém a deixou aqui? Será que foi alguém que tenha se mudado e sabia que aqui seria bem tratada? Ou foi ela mesma que resolveu dar uma espionada pela vizinhança e nos escolheu? Vai saber... Mistério... Só sei que saímos no lucro: marido se apaixonou e mudou seu conceito em relação a gatos (ele só gostava de cachorros, e muito, mas gatos... nem pensar) e eu realizei um sonho: há muito que queria um gatinho adotado. Mas como minha casa não é cercada por telas e nem tem muros altíssimos, não passava nos critérios das entidades que cuidam e doam gatinhos. Mas Deus deu um jeitinho nisso, né PAI? :)

Ela é um verdadeiro presentinho de Deus
para nossas vidas.
Obrigada!!! ;)
E obrigada a vocês que leram esse post enoooorme!

Tenham uma sexta-feira abençoada, ajuizada e de muita paz.
Um fim de semana maravilhoso e produtivo.
Procurem fazer as pazes com quem é necessário, procurem dar atenção a alguém que vocês saibam estar precisando e sejam gentis, generosos e afetuosos: lembrem-se sempre da corrente do bem... ;)


Beijinhos carinhosos

Este artigo pertence ao blog JoartFlores. Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal

9 comentários:

Luciana disse...

Jô eu adorei essa história linda,tenho uma amiga que sempre me diz que animais é que escolhem a gente e não nós, eles sabem quem tem um bom coração.è muito engraçado como as coisas acontecem há 14 anos a minha cachorrinha também surgiu em nossas vidas dessa forma ,foi ficando 1 dia,1 mês 1 ano...e foi uma convivência maravulhosa,e 1 ano após a sua morte tivemos uma nova experiência só que com gatos e olhem que eu nunca gostei de gatos e agora sou apaixonada pelos meus peludinhos Ping e Crusoé, é a vida tem dessas coisas rsrsrsrs.
beijos

Veronica Kraemer disse...

Jo querida, tem como não amarrrrrrrr a Lola???
Ela é fofa, linda, um presente de Deus mesmo!!!
Já te disse que ela é gemula da minha Gigi, né? rsrsrsrsrsrs
Te desejo um final de semana mará
Beijosssssssssssssss
Vero

Santinha disse...

Li o texto todo sim. Adotar é tudo de bom! A Lola e voces têm muita sorte em poder compartilhar esse amor.
Parabéns e linda semana procês.
bj
yvone

Cintia Branco disse...

Jô,

como nos apegamos a essas criaturinhas né?! Ficam fazendo parte da família e se tornam indispensáveis no nosso dia a dia.
fico imensamente feliz em tê-la como companheira de aventura no Sobre Viver em Sinop.
Seu comentário ficará guardadinho até o final do sorteio.
Beijos e obrigada pelo carinho

Pepa disse...

Oi Jo, é a Vi, somos apaixonadas por gatos, e a Pitilica é bem parecida com a Lola, mas não ronrona a safadinha, não sei se foi o efeito de mamar em uma cachorra.
quanto a seleções, eu tinha muitos livros daqueles que continham as historias, sei bem do quê você falou.
Muitos beijos,Vi

Ju Ramalho disse...

Olá!

Obrigada pelo comentário e desejo de melhoras para nós aqui em casa!

Assim como vc eu tenho 3 filhas gatas que praticamente destróem a casa toda rss.

Eu já fiz post sobre elas, acho que tá na tag "aqui tb tem" na parte meus gatos... veja lá depois...

Eu sou muito feliz pro ter as minhas lindas... elas ficam o tempo todo do nosso lado, quando ficamos doentes dormiam no nosso quarto e não arredam o pé de la só levantam quando a gente levanta.

Adoram beber água em torneira, o que me anda deixando estressada com esse mau hábito que meu marido criou ele acha engraçado e agora elas correm quando a gente entra no banheiro pra pedir água... fico fula rssss

Sçao carinhosas e fico passada quando dizem que gatos não são amigos... eu acho que são muito mais companheiros... e o bom é que não precisamos mimar eles...o gato escolhe de quem ele gosta... tem gente que vem aqui e elas não gostam.... e outras elas pulam no colo e dai vejo que tem razão kkkkkkk

Adorei o post! Que sua semana seja alegre e feliz! Bjo pra Lola!

Paula Louceiro disse...

Jô obrigada pelo voto querida.
E adorei a história da Lola.
Bjoka

Galera da Esbórnia disse...

Que história lindaaa! ameiiii! perfeitaa!

Beijos

Nanna Oreano
www.galeradaesbornia.com.br

Fabiana Tardochi disse...

Oi Jo!
Te acompanho a algum tempo e acho a sua Lola fofa!
Meu caçula veio com a ideia esses dias de termos um gato também.
Estou pensando na ideia.
Beijos e um ótimo final de semana